Conteúdo do livro em espanhol:
PARTE I. PANORAMA do paciente com Lesão medular
1. Visão geral do paciente com lesão medular

PARTE II. Emergências Médicas
2. Síndromes da Coluna Vertebral: avaliação e tratamento
3. Artrite da coluna
4. Osteoporose
5. Infecções da coluna vertebral
6. Coluna Neoplasias


Conteúdo do livro em espanhol:

PARTE 1. Princípios e Práticas de Ortopedia
1. Fraturas
2. Lesão Muscular
3. Articulares dos membros
4. Complicações
5. técnicas especiais para imagem

Introdução
A abordagem desse tema geralmente acontece com um profissional que o paciente sente mais afinidade. Tema este que deve ser conhecido pelo profissional da saúde para aconselhar e esclarecer o paciente da forma mais natural possível.

Profissionais da área da saúde precisam ter cuidado para que as pessoas com incapacidade física possam aprender mais sobre si mesmas, não se limitando a informações focais ou generalizadas, quando não errôneas, a respeito de suas incapacidades físicas. A falta de orientação do paciente, muitas vezes deve-se a falta de orientação profissional.

A trajetória da atividade sexual após lesão medular inclui um período de assexualidade, seguido por um período de redescoberta que ocorre durante o tempo de reabilitação. Apesar de ocorrer um período de “luto sexual” é recomendado um período espera e quando sentir-se pronto dar início à reabilitação da vida sexual. 



Apresentação
As dores na coluna vertebral acometem a maioria das pessoas em algum momento de sua vida, representando um alto custo social e financeiro para a sociedade. De seu lado, o indivíduo acometido sofre com a incerteza do diagnóstico e do tratamento, além das perdas profissionais e de qualidade de vida.




Autores

Anabela Cardoso
Assistente Hospitalar de Reumatologia
Jaime C. Branco

Anatomia
Os Acidentes Vasculares Cerebrais são usualmente causados por anormalidades na circulação. No entanto as variações anatômicas são frequentes, e o território que recebe o suprimento de sangue de uma dada artéria não é de todo previsível; como resultado, as síndromes dos acidentes vasculares encefálicos podem não se correlacionar bem com a localização da lesão vascular. Exames de imagem são apropriados para fornecer informações precisas sobre cada paciente individualmente. Pela Clínica que o paciente apresenta é possível determinar a localização vascular do Acidente Vascular Cerebral.

  • Artéria Cerebral Anterior
  • Hemiparesia contralateral, mais acentuada no membro inferior 
  • Perda sensorial contralateral  
  • Alterações do funcionamento esfincteriano anal e vesical  
  • Manifestações mentais, que são mais nítidas e estáveis se o AVC for bilateral 
  • Alterações do comportamento, se o AVC do lobo frontal for intenso.

  • Artéria Cerebral Média
  • Afasia (quando o hemisfério dominante é lesado);
  • Hemiplegia e/ou hemiparesia contralateral, mais acentuada na face e membro superior;
  • Hemianópsia homônima;
  • Hemihipostesia;
  • Apraxia;
  • Alexia.

  • Artéria Cerebral Posterior
  • Síndromes sensoriais talâmicos;
  • Alterações de memória (lesão bilateral);
  • Hemianópsia homônima;
  • Síndrome de Anton;
  • Cegueira cortical, provocada por lesão bilateral dos lobos occipitais associada à agnosia;
  • Dislexia sem agrafia;
  • Hemiplegia fugaz;
  • Ataxia.

  • Artéria Carótida Interna 
  • Hemiplegia contralateral com hemipostesia e afasia (quando o hemisfério cerebral dominante é lesado);
  • Isquemia retiniana com obnubilação ou perda da visão no olho homolateral;
  • Inconsciência no momento da oclusão;
Nota: 40% dos doentes com oclusão da artéria têm, antes do AVC definitivo, ataques isquêmicos transitórios.

  • Artéria Basilar
  • Hemiplegia contralateral ou tetraplegia;
  • Paralisia facial;
  • Disartria e disfagia;
  • Síndrome de Hormes homolateral;
  • Perda de consciência e presença de vertigem. 

  • Artéria Vertebrobasilar
  • Sinais de lesão de nervos cranianos e de conexões cerebelares homolaterais com sinais sensitivos e motores nos membros contralaterais;
  • Síndrome de Weber (lesão localizada nos pedúnculos cerebrais);
  • Paralisia homolateral do nervo óculo-motor comum;
  • Hemiplegia contralateral.
Fonte: IPAF, 2007.